domingo, 30 de novembro de 2008

PALABRA DEL MUNDO

Memorias del Festival de Poesia de la Habana

Das gratas experiências tidas em Fortaleza, como rever amigos, conhecer novos poetas, receber e oferecer um monte de livros, sentir o calor do Ceará deixando para trás os 12 graus de Lisboa, a movimentação fervilhante no Centro de Convenções sempre repleto de gente, sobretudo estudantes, a venda maciça de livros, apesar dos preços nem serem baratos, foi receber do Alex Pausides, o director do Festival de Poesia de Havana, a antologia “PALABRA DEL MUNDO”, que inclui poemas meus.
Já sabia da edição deste volume, mas com todas as dificuldades que existem em Cuba, tinha a noção que era muito difícil recebê-lo pelo correio. E foi com alguma surpresa (já nem me lembrava) e alegria que recebi este presente do Alex Pausides, o organizador do livro.
PALABRA DEL MUNDO, editado no ano passado, reúne poemas de cerca dos 200 escritores que participaram no Festival Internacional de Poesia de Havana, em 2006, e nas suas 400 páginas deverá conter outros tantos poemas de autores de uma vintena de países, todos traduzidos para o castelhano.
Entre os participantes, refiro apenas os nomes de Thiago de Mello, Ernesto Cardenal, Evgueni Evtushenko, Nancy Morejón, Pierre Bernet, Tito Alvarado, Elena Liliana Popescu, Corsino Fortes e Gaetano Longo.
Tenho dois poemas nesta antologia – “El Dedo” e “Deseo(s)”. Este último fez um enorme sucesso a primeira vez que o li, sussurrado ao microfone no Teatro Lido de Medellín, na Colômbia, perante uma audiência de mais de 500 pessoas, que enchia o Teatro. Fiquei com um nó na garganta quando depois de ler o poema, aquelas centenas de pessoas se levantaram a aplaudir, coisa que nunca me tinha acontecido…
O Festival de Poesia de Medellín foi também uma experiência única, porque nunca vi (e acredito que os outros poetas também não) tanta gente verdadeiramente encantada com a poesia, ficar horas a ouvir poetas de diferentes países a dizerem os seus poemas nas respectivas línguas (e à chuva, como uma vez assisti), a absorverem literalmente as palavras que dizíamos, mesmo sem as compreender a maior parte das vezes. Parabéns mais uma vez Fernando Rendón, pelo teu Festival único !
Regressando ao Festival de Poesia de Havana, foi igualmente uma experiência gratificante pela maneira calorosa e amável com que o povo cubano recebeu os poetas, e as leituras feitas em diversos locais, onde as pessoas interrompiam o seu trabalho para ouvir ler poesia e para, muitas vezes, lerem também os seus poemas, numa desinteressada e interessante troca de experiências e de leituras, à qual se seguiam conversas sobre os poemas lidos.
.
DESEO(S)
.
que
mi
lengua
moje
tus
labios
lívidos
lânguidos.
.

que
mis
dedos
recorran
tu
piel
perversa
arrozuda.
.

que
mi
sexo
roce
en el tuyo
y sus
olores se
confundan.
.

que
todos los
secretos
deseos
se sumerjan
profundos
mágicos
y eternos.

1 comentário:

Maria Cida disse...

Adoro este poema, em qualquer língua...
Abraços.