domingo, 14 de dezembro de 2008

SONETO ECOLÓGICO
De regresso a Lisboa, depois da participação no Châmalle X em Pontevedra, que decorreu de uma forma muitíssimo agradável quer em relação aos trabalhos apresentados como em relação à viagem e à estadia naquela simpática cidade galega, foi a vez de rever o SONETO ECOLÓGICO ou, por outras palavras, de ver como estava a crescer a minha “criança” que já não via desde Agosto do ano passado.
Foi uma imensa surpresa ver como desde essa data algumas das árvores cresceram. Outras nem tanto, mas no conjunto, o SONETO ECOLÓGICO está a ganhar a forma que eu sempre quis que tivesse, e o “Parque do Soneto”, em Matosinhos, está a ficar um verdadeiro espaço verde …
Mas só dentro de meia dúzia de anos é que este Parque ficará no seu melhor, com as todas árvores já crescidas a rimarem pelo género e a perceber-se de uma maneira mais clara a estrutura deste Soneto plantado em Março de 2005.
De qualquer modo, aqui está o SONETO ECOLÓGICO com o “look” de Outono 2008.

1 comentário:

Terpsichore lusitana combatente disse...

Caramba, já não era sem tempo: eu encontrar onde andam esses blogues da arte e artistas....

Custa muitas noites sem dormir, mas lá se vai encontrando!

Cumprimentos